Um Olhar Diferente Sobre o Território

Em busca de possibilidades na Pavuna
4 de junho de 2014
Chuva de ideias no Batan
11 de junho de 2014
Exibir Tudo

Um Olhar Diferente Sobre o Território

Onde a minha ideia existe no território? Foi a pergunta que os jovens do núcleo da Cidade de Deus da Agência de Redes para Juventude responderam no último sábado, dia 21, na Associação Sementes da Vida.  Perguntar, ouvir e observar foram alguns dos dispositivos de investigação trabalhados no estúdio de criação para que os jovens percebessem quais eram as melhores formas de expressar suas ideias que aplicar as informações recolhidas para a criação de seu projeto.

Pensar em novas formas de olhar a mesma ação é uma das maneiras de aprimorar uma ideia. Com base nisso, a mediadora Renata di Carmo mostrou algumas ilusões de ótica e os trabalhos do artista plástico Vick Muniz, que transforma lixo em arte, para inspirar a percepção dos jovens sobre o território. Entrevista foi outro dispositivo trabalhado no sábado e documentários (como o filme Raça, de Joel Zito) foram usados como exemplos de modos de perguntar. Após o tutorial, os jovens foram para rua conversar com pessoas referências no território.

A mudança física da realização do encontro em si já foi uma maneira de produzir novas experiências. “Mudou um pouco o nosso foco, mas principalmente nos fortaleceu”, disse Toni Cleiton que junto com o seu grupo conversou um gari que trabalhava na limpeza das ruas da CDD. Toni junto com seu grupo tem a ideia de criar um projeto que envolva reciclagem e sustentabilidade na CDD.

Emilly da Rocha, 15 anos, foi direto ao ponto. “Como é a relação de vocês com as crianças?”, perguntou a jovem que tem a ideia de desenvolver ações para crianças com necessidade especiais. “Particularmente a minha relação com elas é de amizade. Eu gosto muito do vínculo, da parceria, de trocar ideia, de ouvir o que eles têm para falar”, respondeu Alex Sander, um dos diretores do Arteiros, grupo teatral da Cidade de Deus para crianças. Alex também falou sobre os lugares mais legais para a realização das ações que a Emilly deseja, como a Rocinha 2.

A galera organizando as perguntas que iriam fazer para as pessoas que escolheram na Cidade de Deus.

Douglas Chagas tem a ideia de fazer camisas que mostrem o contexto das favelas do Rio de Janeiro. Ele trocou uma ideia com Cristiano Maciel, idealizador da Estilo Favella, marca de roupa criada na Cidade de Deus através da metodologia da Agência. Cristiano comentou como foi desenvolvendo o seu projeto até criar a grife e enfatizou sobre a importância das parcerias e das redes para superar momentos de dificuldade. “A questão não é só a estampa, mas a mensagem que quero transmitir”, concluiu Douglas após as dicas de Cristiano.

Na próxima semana os jovens deverão expor tudo o que pensou e produziu até aqui na Feira de Ideias. O objetivo é criar agenciamentos entre os jovens, identificando as características de cada um que podem caminhar juntas para a criação das iniciativas no território.

Mércia Antunes e Jeosane Silva entrevistando Jéssica Franco, 23 anos e mãe do Glauber de 3 meses. As meninas desejam fazer um projeto que relacione saúde e crianças pequenas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *