Sábado de Imersão de Instrumentos e Formalização

Agência no Cultura de Ponta
30 de agosto de 2014
A Jornada do Guerreiro
11 de setembro de 2014
Exibir Tudo

Sábado de Imersão de Instrumentos e Formalização

Na desencubadora – processo da Agência de Redes para a Juventude no qual as ideias dos jovens tornam-se projetos- , o desenvolvimento das ações nos territórios é acompanhado da necessidade de definir algumas noções para colocá-las na rua.
No último sábado, os bolsistas passaram por um intensivão sobre objetivos e resultados com Talita Matos, do MAIS. Em paralelo, alguns projetos iniciaram seus processos de formalização com Bete Gomes, do SEBRAE.
OBJETIVOS CLAROS, RESULTADOS NA MÃO

Redefinindo os objetivos dos projeto.

Cada grupo falou sobre os objetivos definidos por eles para seus projetos.  Enquanto isso, Talita e Ana Paula Lisboa (coordenadora metodológica da Agência) listavam o que cada um estava dizendo e o brainstorm para retrabalhar as noções de objetivo começou. A ideia era transpor a noção de objetivo como algo distante para outra mais palpável, para que os resultados possam ser medidos, analisados para que as ações sempre se reinventem.
– Pesquisar na comunidade é muito importante, porque além de ser a base para se achar um resultado possível para o objetivo, também cria uma justificativa plausível para a ação e para a própria existência do projeto – disse Talita, indicando a importância da pesquisa nesse momento dos projetos.
O CineBatan tratou de hackear as ideias e reformular uma noção de objetivo. Na ficha, o item foi preenchido dessa maneira:
Objetivo: Criar um cineclube no Batan nas casas de moradores e espaços públicos, para aproximar o cinema da comunidade, promover o cinema nacional e estimular debate de filmes com os moradores. Resultado: CineBatan funcionando nos fins de semana por pelo menos 1 mês.
– Foi interessante as dicas de como se fazer cada processo de pesquisa de objetivo e resultado, nos deu outro ponto de vista de como armar e por em prática cada ação. Agora com essas ideias novas, somos capazes de fazer coisas que nem pensávamos que eram possíveis de se fazer por conta própria –  observou o grupo.
Criar objetivos e resultados palpáveis para que a ação no território seja efetiva é não generalizar uma quantidade de ações e pessoas envolvidas, por exemplo. E sim dar números exatos às metas. Ter isso tudo bem claro ajuda o grupo a
não cobrar muito de si mesmo, estabelecendo resultados possíveis de alcançar.

O projeto ATurma lista sua 5 principais ações necessárias para iniciar seus projetos.

Depois dessa discussão com cada grupo, Talita pediu aos jovens que produzissem uma lista com pelo menos 5 grandes ações que eles considerassem necessárias para alcançar os objetivos de seus projetos.

– Temos que ser mais objetivos em como medir nossas ações e seus resultados. Precisamos criar esses mecanismos, por isso decidimos organizar um cronograma, pensar, articular e fechar parcerias, definir meios de comunicações com o público-alvo e fazer logo o orçamento – contou o grupo.

FORMALIZAÇÃO

Na parte da manhã, alguns projetos da Rede Agência participaram da palestra sobre a criação do registro de MEI (Microempreededor Individual). Bete Mendes, consultora do Sebrae, falou sobre o processo de criação e todos os direitos que essa forma de institucionalização gera.

Bete Gomes, do Sebrae, fala sobre todo o funcionamento do MEI para integrantes dos projetos da Rede Agência.

Esse foi mais um sábado de Rede Agência. Continue acompanhando o desenvolvimento de novas ideias na cidade também pela nossa página fb.com/agenciaderedesparajuventude e no nosso Instagram @_agencia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *