Presença no território: a importância das redes

Sábado de Empreendedorismo na Agência
16 de setembro de 2014
Banca do Selo: em breve, novas ações pela cidade
28 de setembro de 2014
Exibir Tudo

Presença no território: a importância das redes

Hoje a Agência de Redes para Juventude está presente em 21 favelas da cidade do Rio de Janeiro. Isto não seria possível sem reconhecer a presença de organizações que já trabalham em seus territórios, promovendo ações consistentes e reinventando a rotina e as perspectivas dos moradores no território. Dois exemplos disso acontecem no Batan, com a ONG Tatiane Lima e na Cidade de Deus, com a Associação Semente da Vida (ASVI).

A ONG TATIANE LIMA, NO BATAN

Aula de primeiros socorros na ONG Tatiane Lima. Foto: divulgação.

A ONG Tatiane Lima, fundada em 2005, surgiu do desejo de Eliane Lima de trabalhar com pessoas soropositivas. Esse desejo e, consequentemente, a criação da ONG, foram motivados pela perda de sua filha, Tatiane Lima, e de sua irmã, Simone Lima, num acidente de carro. Simone trabalhava com crianças aidéticas em um hospital universitário da cidade do Rio de Janeiro. Com o crescimento da organização, as ações realizadas no Batan passaram a não focar apenas a causa do HIV, mas conter outras atividades como a oferta de curso de inglês, aulas de capoeira, dança de salão, futebol para meninos e meninas, cursos profissionalizantes na área de hotelaria e ações de promoção à saúde dentro e fora do Batan.

Em entrevista à Agência, a assistente social da organização, Nelcy Rosa, destaca os resultados da parceria com a Agência e as mudanças geradas pelo trabalho da ONG. O espaço da organização foi utilizado com liberdade pela Agência em 2014. No começo do ciclo, a mobilização de jovens na comunidade contou com o apoio da ONG e, durante o ciclo de estímulos, o espaço recebeu a maioria dos grupos de estudos semanais. O anúncio do resultado da banca que escolheu os projetos a serem financiados pela Petrobrás também foi feito lá.

Sobre este trabalho em conjunto, Nelcy reconhece: “a parceria com a Agência de Redes é ótima, não deve acabar nunca. Nós percebemos que os jovens ficam mais responsáveis depois que passam pela Agência, a mente muda, voltam a estudar, pensam em emprego, querem que seus projetos vão para frente”. Não apenas a Agência é bem recebida no Batan, mas, segundo Nelcy, a comunidade recebe bem as iniciativas que são implementadas, independente do público alvo. Além disso, também têm surgido pequenas iniciativas artísticas e sociais locais.

A ASSOCIAÇÃO SEMENTE DA VIDA, NA CIDADE DE DEUS

A Cidade de Deus conta com a presença da Associação Semente da Vida há doze anos. Promover atividades variadas à comunidade, através de redes de parcerias, é o trabalho da ASVI. Complementação escolar, aulas de cidadania, informática, saúde, dança, jiu-jitsu e percussão são alguns exemplos do que é oferecido na sede da associação. O trabalho da ASVI é consolidado e bem sucedido, o que atrai parcerias de vários tipos, desde casas de moradores até instituições internacionais.

Desde 2002, não apenas parceiros, mas também alguns prêmios já foram conquistados. O prêmio Ludicidade aos Pontinhos de Cultura de 2008; em 2009 a nomeação de Maria do Socorro Melo Brandão – fundadora e diretora da associação – como uma das 21 mulheres líderes para o século XXI por uma revista americana e em 2013 veio o segundo lugar no prêmio Geraldo Jordão, pelo projeto Jovens Comunicadores da Semente, realizado pela ASVI. Esses são  alguns exemplos de reconhecimento da atuação da associação.

Maria do Socorro, diretora da Associação Semente da Vida. Foto: Marcio GomesNa ASVI aconteceram as reuniões do Ciclo de Estímulos da Agência na Cidade de Deus em 2014, todos os sábados durante três meses. Na mesma época o espaço recebeu reuniões de grupos de estudos da Agência, em dias de semana.

A ASVI também recebe outras reuniões e eventos, como o III Encontro de Formação de Grupos Jovens do RJ, que aconteceu em 2013, promovido pela FASE em parceria com a Agência. Maria do Socorro destaca, em entrevista com a Agência, que uma parceria que deu muito certo é a que foi feita com o Movimentos, projeto metodologia de ensino e mostra de dança, integrante da Rede Agência. Um dos criadores do Movimentos, Fabrício Jefferson, dá oficinas de jazz para as crianças da ASVI durante o dia, e o projeto desfruta do espaço no turno da noite, três vezes por semana.

Um evento fruto da parceria entre Movimentos, ASVI e CIA de Dança Trevo (que Adany Lima, integrante do Movimentos, ajudou a fundar na CDD) é o Unificarte. Uma mostra de dança que, já em sua segunda edição, acontecerá no SESC Madureira e reunirá dezoito grupos em uma programação totalmente gratuita.

As favelas e periferias da cidade do Rio de Janeiro têm abrigado cada vez mais iniciativas como estas, que nascem no e para o próprio território em que se inserem, criando ações que aproveitam e revelam suas potências. O trabalho em redes também aparece como algo importante para a eficácia dessas organizações. As parcerias certas podem suprir diversas barreiras para realização de alguma ação. Esta visão permite que as iniciativas colaborem umas com as outras, aumentando a possibilidade de resultados positivos para a cidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *