Perfil: Fitando Arte

Perfil: Bela Arte Jazz
19 de Janeiro de 2012
Perfil: Reci-Criando
19 de Janeiro de 2012

Uma união do artesanato, moda e sustentabilidade, pela qual cada mulher tenha o poder criativo sem perder a harmonia de um grupo— Renata Pedro

Filha de professor e de costureira, Renata Pedro cresceu sentada ao lado de sua mãe na máquina de costura. Para ajudar na renda familiar da casa, a mãe também tricotava e fazia doces.

Criada pela sua avó que fazia artesanato para ajudar e manter seus filhos e netos, Vanessa Cristina Carlos é mãe de três filhas e aproveitou o que aprendeu com a avó para complementar a renda da casa, que mantém praticamente sozinha.

Depois de algum tempo de pesquisa e ao perceber o olhar do mundo voltado para a sustentabilidade, as duas bolsistas do Chapéu Mangueira/Babilônia perceberam que fazer parte da Agência era uma oportunidade para elaborar um projeto de artesanato sustentável, onde a matéria prima seria doações de “lixo”.

“Um ponto importante que sempre achei fundamental é ter um grupo onde o conhecimento fosse trocado e cada mulher pudesse ter a satisfação de criar suas próprias peças, e não somente reproduzir, como é de costume”, diz Renata, que vibrou com o momento de união dos projetos. “O encontro com a Vanessa desde o início teve gosto de parceria, pois sabíamos que ambas queríamos fazer um trabalho com mulheres, o meu com uma pegada para moda e o dela com o foco no grupo de mulheres do qual ela faz parte. Já nos víamos como parceiras e nossos projetos só se completaram”.

O objetivo do Coletivo Fitando Arte é capacitar e aumentar o repertório das mulheres locais, promovendo a geração de renda através do artesanato sustentável. O foco inicial das oficinas é o desenvolvimento de dois produtos para a comercialização: colares de trapilho e cesto de roupas feitos com materiais reutilizáveis. “Queremos, durante essas oficinas, potencializar, fomentar, incentivar a criatividade e trabalhar a autoestima”, diz Renata.

Com formação em Moda e Figurino, Renata buscava uma maneira de fazer moda menos efêmera, e com mais de consciência ecológica e social. “Sempre me senti atraída pelo poder criativo do popular e suas manifestações culturais. Dentro de todo esse contexto comecei a admirar o trabalho da Coopa-Roca e gostaria de seguir o exemplo delas e conseguir unir trabalho artesanal, geração de renda e inserção do artesanato ao mercado da moda pela qualidade”, explica.

Vanessa já teve o artesanato como única fonte de renda e sente paixão pelo trabalho manual. Tinha o desejo de criar uma cooperativa legítima com base no grupo de que faz parte, e comprar máquinas, mas contava com poucas participantes e pouco capital. A Agência ajudou a mudar as perspectivas.

O Coletivo Fitando Arte conta com parceiros importantes : o grupo de mulheres artesãs já existente na Babilônia (MGB – Mulheres Guerreiras da Babilônia), e o Galpão de Artes, da Dona Augustinha, no Chapéu Mangueira. O comércio local –Bar do David, Bar da Maria, Associação dos Moradores do Chapéu Mangueira, Associação dos Moradores da Babilônia, e Colônia de Férias– ajuda na captação das sacolas de plástico.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *