PASSA NADA NO NÚCLEO VERIDIANA

Rocinha lembra sua origem
28 de agosto de 2015
Início de ciclo na CDD
2 de setembro de 2015
Exibir Tudo

PASSA NADA NO NÚCLEO VERIDIANA

Num sábado quente em Santa Cruz, na localidade Santa Veridiana, os jovens que foram selecionados para o novo ciclo da Agência de Redes Para a Juventude começaram o dia cedo. Como fundo musical da CEBs (Comunidade Eclesial de Base) – espaço onde acontecerão todos os encontros do núcleo – a play list do mediador Diogo Nery recebia a galera com samba, chorinho e funk.

Nesse primeiro dia, os jovens conheceram melhor a metodologia da Agência; a equipe, composta por: Júlio Rosa e Renata Duarte, tutores dos projetos da Rede Agência; o mediador Diogo Nery; os universitários Gabriela Montoni, Fernando dos Santos, Rogeria Nascimento, Carolina Jacob e Mayara Ximenes – que serão a equipe fixa do núcleo. Além de terem contato com os projetos Intervém Favela, Favela em Dança e Boreart, que foram desenvolvidos através do processo da Agência. Os jovens cuidaram ainda de questões objetivas, como a entrega de documentos e a assinatura na lista de presença – tudo organizado pelo produtor local, Luiz Salazar.

Ynara da Silva, de 17 anos, foi a primeira jovem a chegar na CEBs e estava tomada por um misto de curiosidade, ansiedade e alegria. Ela foi acompanhada de sua mãe, Jane Maria da Silva, que estava tão curiosa quanto a filha para saber como funciona a proposta da Agência. “Eu não conhecia a Agência e queria ver como funcionava. Minha filha me mostrou alguns projetos que passaram pela Agência no site e aí eu comecei a sentir firmeza. Estou muito feliz por ela, pois, é difícil ter alguma oportunidade chegando aqui.”

Ana Beatriz, 15 anos, apaixonada por Jazz e Blues. Que trabalhar com música no seu território.

O pessoal da Rede Agência também estava entusiasmado em poder falar, agora como vitrine, para essa nova geração que está chegando. Essas iniciativas – que já passaram por todo o processo da Agência de desenvolvimento de ideias – estão agora em processo de institucionalização e consolidação na cidade.

“É uma delícia estar aqui hoje. Nós do Intervém sabemos a importância de todo esse processo e de como se amadurece passando por ele. Me sinto renovado encontrando com essa galera cheia de energia e ideias”, conta Lucas Pablo, coordenador de projeto do InterVem Favela.

“É uma experiência gratificante estar aqui agora como uma ideia que deu e vem dando muito certo. Nós olhamos para eles e nos vemos. Estamos aqui hoje para ser vitrine e potencial para as ideias dessa galera”, conta Lucas Alves, um dos coordenadores do festival.

 

Juventude reinventando a cidade de ponta-a-ponta!

Quem pilhou na trajetória do Favela em Dança foi Ana Beatriz, de 15 anos. Apaixonada por música, principalmente jazz, a jovem colou nas experiências trazidas pelo grupo. “A Agência realmente pode mudar minha vida, eu quero fazer algo relacionado à música, um festival ou uma rádio comunitária aqui em Veridiana. Gostei muito de todos os projetos, mas o que mais me identifiquei foi o Festival Favela em Dança. Vou pedir dicas para o Lucas (Alves, coordenador do festival).”

Os projetos apresentaram também ações de voluntariado e convocaram os jovens presentes para participar. Todas as ações usam as redes sociais como principal ferramenta e, como a juventude vive conectada, não vai ser difícil participar.

A proposta do InterVem Favela é fazer com que os jovens identifiquem intervenções artísticas pelas ruas da cidade, fotografem e mandem para a página deles no Facebook. A foto mais curtida ganha uma camisa do projeto e um post com a sua foto e seu nome na página. Nesse mapeamento da arte na cidade, o Boreart propõe uma selfie no território com algo que eles identifiquem como arte – pode ser  de um elemento de decoração no quintal de um vizinho à um grafite num muro. A tag #EuAmoBoreArt também precisa ser incluída na hora de postar a foto nas redes sociais. Aquele que tiver mais compartilhamentos na sua publicação fará, por duas semanas, aulas de grafite com o coletivo #TrapaCrew.

O Favela em Dança oferece uma bolsas para participar da terceira edição do festival ano que vem, além de um kit com brindes personalizados do projeto, como prêmio para quem postar a foto do novo logotipo do projeto em seu perfil e tiver mais compartilhamentos na publicação. É preciso usar a #faveladecaranova no post para que você esteja realmente participando da ação.

Depois da apresentação das propostas, não faltou jovens querendo participar das ações. Entre os novos bolsistas, a equipe metodológica e a galera da Rede Agência existia um sentimento comum: o desejo de construir juntos novas possibilidades para a juventude de origem popular da cidade. Santa Cruz vem com tudo e muito coisa boa vai pintar por lá.

Sejam todos bem-vindos! Até o próximo sábado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *