O que é que o Batan tem?

Esbanjando ideias e desejos na CDD
5 de outubro de 2012
Ideias e inventários do Cantagalo/Pavão-Pavãozinho
9 de outubro de 2012

Inventário é uma maneira de organizar ideias. Reunindo elementos da comunidade que ampliassem seu repertório – sobre si mesmo e de suas ideias – os jovens colocaram em prática aquele mantra da Agência de Redes para Juventude: não existe ideia sem expressão, não existe desejo em agenciamento.

Entre inventários de camisas xadrez, de esmaltes, de crachás de eventos, de calçados e referências de outros artistas (como Arthur Bispo do Rosário e Antonio Macotela) os jovens do Batan ampliaram seus repertórios montando inventários de localização de suas ideias. Ou seja, expressão e agenciamento.

Para entrar na sala de exposição, foi preciso retirar o ingresso em troca de ideias.

Lucas Viana: a ideia formulada por Lucas no sábado anterior consistia em pintar as casas da comunidade. São muitas as moradias com tijolo aparente, como aquelas vistas das janelas do prédio da UPP do Batan. Essa vista ajudou Lucas a não ficar sem apresentar uma ideia no primeiro estúdio de criação, no dia 6 de outubro. Depois das rodas de discussão, Lucas atentou para a sustentabilidade dessa ideia quando transformada em projeto, por isso, neste estúdio de criação, ele trouxe uma ideia (totalmente) diferente: criar uma rádio e um jornal comunitários.

No Batan, ele vê seu projeto na figura de Jéssica, sua amiga de infância e escritora.

Carla Moreira, 16 anos, e Nathalia Silva, 28 anos: há alguns anos, no caminho para o trabalho, Nathalia passava em frente à Escola Municipal Álvaro Alvim. Lá,  preocupava-se ao ver crianças brincando de arminha de dedo. “Que futuro têm essas crianças?”, questionava-se. Carla e Nathalia se conheceram na Agência e trocando um papo encontraram afinidades entre suas ideias. Juntas, estão pensado num projeto que use estratégias educacionais (repertório de Carla que fez dois anos do curso de Pedagogia) para motivar crianças e despertar talentos (não necessariamente artísticos) que ampliem a perspectivas dos jovens.

No Batan, a ideia dessas jovens seria uma alternativa a um discurso presente na comunidade – que diz que os jovens de lá até possuem algum talento, mas não sabem desenvolvê-los.

Thainá de Morares, 15 anos: Sua ideia é montar uma sala de exibição de filmes infantis. Ela gosta muito de cinema e na época que morava em Madureira, frequentava muito o cinema do Madureira Shopping.

Sua ideia é localizada na irmã mais nova, com quem assiste filmes. No seu território, ela quer realizar o projeto a partir da Escola Municipal Lima Barreto, a única do Fumacê, onde estudou.

Larissa de Souza (a Lady): passeando pelo Complexo do Alemão com seu pai, Larissa se apaixonou pelo grafiti. E através desta arte quer narrar os novos tempos da comunidade.

O quintal da casa da sua tia seria o primeiro lugar de intervenção. O espaço é amplo e precisa de reformas. Lá pode até virar a sede desse projeto.

Hiago Medeiros: estudante de Ensino Normal, Hiago quer de alguma forma ampliar as atividades escolares das crianças da comunidade. Ajudar alunos e professores a estudar e criar oportunidades.

Quer conhecer mais ideias dos jovens do Batan? Assista ao vídeo abaixo!

Durante o estúdio de criação preparamos um vídeo com um inventário de gestos. Os registros foram feitos a cada momento do dia, reunindo fragmentos de corpos em diferentes situações. Confira o resultado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *