Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro
Secretaria Municipal de Cultura

apresentam

Direto da Agência » 09.04.2016 - Carolina Lourenço – Conexões e Comunicação

NA TELA E NO TERRITÓRIO

Igor Melo dando aula na oficina de Audiovisual na Cidade de Deus

Igor Melo dando aula na oficina de Audiovisual na Cidade de Deus

Por muito tempo, a Lona Cultural Jacob do Bandolim, no Pechincha, deixou de fazer parte da vida cultural dos moradores do bairro e das regiões próximas. Mas a nova gestão, desde meados de 2015, comandada pelos idealizadores do projeto CDD na Tela, da Rede Agência, garante que mudará o cenário. Já estão acontecendo as oficinas de teatro, violão, hip hop, dança de salão, forró, stiletto e, em abril, começarão as aulas de audiovisual. Além disso, o objetivo também é dar voz à comunidade no entorno, sediar eventos multiculturais e promover os artistas locais.

Victor Buhr, Igor Melo e Romulo Johann na frente da Lona Cultural Jacob do Bandolim

A proposta, que teve o apoio dos projetos Poesia de Esquina, Studio Movimentos, Favela em Dança, Providenciando a favor da vida, entre outros, foi muito bem avaliada no edital de ocupação da lona cultural. Essa não foi a primeira vez que as redes fomentadas dentro da Agência de Redes para Juventude proporcionaram a realização de grandes iniciativas. O videoclipe da música “Vai” dos Descolados, assim como o primeiro filme do grupo de funk, “Na Manha”, com lançamento para o dia 24 de abril, foram produzidos pelos meninos do CDD na Tela.

Igor Melo, de 23 anos, e Romulo Johann, de 21, estão à frente do projeto desde a elaboração no primeiro Ciclo de Estímulos, em 2011. A ideia inicial de criar uma TV online transformou-se na oficina teórica e prática de audiovisual que acontece às sextas-feiras no Centro de Referência da Juventude, CRJ, na Cidade de Deus. Em 2014, com a entrada dos integrantes Diego Cosmetinni e Victor Buhr, surgiu o “Maricá na Tela”, que usa a mesma metodologia e incentiva o intercâmbio entre os alunos dos dois municípios.

NA FAVELA O CINEMA É DE GUERRILHA

“A galera está para o que der e vier, é cinema de guerrilha. Quem trabalha com cinema de favela tem um gás muito grande”, comentou Igor. Para ele, devido à visibilidade que a favela teve após o lançamento de filmes como Cidade de Deus, os diretores e produtores que são moradores de territórios populares têm hoje mais abertura para trabalhar na área. Dessa forma, a oficina deseja contribuir para que isso ocorra mais frequentemente. Porém, ele observou que circular a cidade em busca de outras experiências é essencial para quem quer seguir na carreira.

Turma de Audiovisual no CRJ da Cidade de Deus

Igor, que está terminando a faculdade de Produção Audiovisual, já concluiu diversos cursos técnicos em diferentes instituições de ensino, fez parte da turma da CUFA (onde conheceu os diretores Rodrigo Felha e Cadu Barcellos), incentiva os alunos a expandirem o pensamento, objetivos de vida, a conhecerem novas pessoas e novos ambientes. “A importância de você circular é conhecer o que está rolando. Ver que não tem só o seu projeto, que tem projetos muito bons que você pode fazer parceria, você pode trazer isso pra você, aplicar na sua comunidade”, ressaltou.

Nos próximos meses, contemplados com os R$25 mil através do edital da Rede Agência, os alunos do CDD na Tela serão inteiramente responsáveis pela produção de um filme que abordará o baile charme como ferramenta social. Além de auxiliar na produção, a meta do grupo é formalizar a ONG, virar escola de cinema e expandir a metodologia do “Na Tela” para outras comunidades. “A ideia é ser uma escola popular e criativa de cinema em várias regiões”, explicou Igor.