Mais de 26 motivos para afirmar a potência do Batan.

Letra a letra: produção de abecedários na Pavuna
15 de julho de 2014
Santa Cruz e seu novo conjunto de palavras
16 de julho de 2014
Exibir Tudo

Mais de 26 motivos para afirmar a potência do Batan.

O estúdio de criação do sábado (12) já começava com o surpreendente ânimo dos bolsistas em marcar presença no núcleo da Agência de Redes para a Juventude do Batan. Não foram impedimento nem o jogo da seleção Brasileira no Mundial, e nem uma manhã chuvosa. Para Eric Johnson, de 16 anos, o ciclo de 2014 na Agência trouxe experiência, contato com novos projetos, novas pessoas e amizades. E no último sábado o que a equipe metodológica da Agência apresentou foi o instrumento Abecedário.

O Abecedário de um projeto é feitos pelos seus realizadores, que identificam em cada das 26 letras do nosso alfabeto uma palavra ou expressão que um o valor da sua ideia. Se fossemos começar um abecedário do último Estúdio de criação no Batan já teríamos: Ânimo, Beleza, Café da manhã, e Disposição.

Mas antes de formar o abecedário dos projetos, os jovens falaram sobre o lugar que moram, em grupos divididos por Batan e Fumacê. Quando pensaram no T que forma Batan, logo mandaram a real: Trabalhador, táxi, tráfico e trânsito. Mas se o lance é falar do Fumacê, o C inicia as palavras: Conflitos, curiosidade, cocota e cultura.

Larissa de Souza, Alessandro Fontes e Ariel Freitas formam parte do projeto Arte Comunidade.

Larissa de Souza (16) é moradora do Fumacê e faz parte do Arte Comunidade (registro da história de moradores do Batan na parede de suas casas através do grafite). Se aprovados pela banca, de início, serão escolhidas 5 histórias para serem narradas, e então o grupo vai trabalhar na divulgação da ação pelo território. “Acredito que vamos passar passar, porque vamos contar e valorizar as histórias dos moradores”, defende Larissa. H de “história” e S de “Seu muro é o nosso museu” apareceram no abecedário formado pelo grupo.

Projeto Favelando! apresentando o seu abecedário

O Favelando já foi por outro caminho na hora de elaborar um abecedário. O grupo construiu um texto que defendia a ideia de seu projeto e destacaram trechos, com as letras que começavam, seguindo assim a ordem do alfabeto. O discurso começava com o A, dando início a frase que o grupo usa como slogan “A voz e a vez da favela”. O projeto deseja instalar uma rádio poste no Fumacê, em que “cada integrante teria um quadro para dialogar com o seu território e os moradores do local”, conta a bolsista Mariana Rosa (18).

Genilson Rafaela com a universitária Juliana.

Seguindo pelos grupos que elaboravam o abecedário, Genilson Araújo (16) e Rafaela Batista (15) formam a dupla que quer instalar a Associação da 3ª Idade. “O projeto tem duas frentes: a área de convivência e o circuito de memórias”, explicou Genilson. Uma vez por mês o Circuito reunirá gerações, idosos e jovens trocando experiências e pensamentos. E a área de convivência vai ser o espaço para as atividades semanais que forem acontecer.

O ritmo de produção dos bolsistas aumenta a cada semana. No próximo sábado, vai rolar o Encontrão na Arena Jovelina da Pavuna e o seminário “Como apresentar a minha ideia”. O abecedário revelou que cada um dos bolsistas da agência tem mais do que 26 motivos para apresentar quando dizem que são a potência do Batan.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *