Livreteria Popular Juraci Nascimento: literatura de porta em porta no São Carlos.

Tem criança na cozinha! Inauguração do Mini Cheff CDD
26 de novembro de 2014
Agência Ocupa MAM
10 de dezembro de 2014
Exibir Tudo

Livreteria Popular Juraci Nascimento: literatura de porta em porta no São Carlos.

A estante de livros não espera mais os leitores irem até ela. Agora, no Complexo do São Carlos, a estante de livros vai até os leitores, em cima de uma bicicleta! Já está em funcionamento a Livreteria Popular Juraci Nascimento, mais um projeto desenvolvido na metodologia da Agência de Redes para  Juventude, nascido a partir do desejo dos jovens de lá, que enxergaram as potências da comunidade onde vivem. O incentivo à leitura desde a infância, passando pela juventude é um dos pontos fundamentais na valorização da cultura de um lugar e em territórios populares ela tem um importante papel na construção de uma cidade menos desigual.

 

Inauguração da Livreteria Popular Juraci Nascimento!

A BICICLETA VERMELHA

Um triciclo vermelho equipado com um armário de livros irá circular as comunidades do São Carlos, promovendo cadastros e empréstimo, como em uma biblioteca tradicional. No entanto, esse simpático equipamento móvel e as ações que o acompanham já estão fazendo da Livreteria um ícone no imaginário da população local. A iniciativa do projeto vai para além de cadastros e empréstimos. “A LPJN tem como premissa trabalhar não apenas com livros, mas também com a oralidade, através de eventos de contação de histórias e com audiovisual, focando em produções relacionadas com a história das favelas”, explica Guilherme, 29, um dos criadores do projeto.

A comunidade do Zinco foi a primeira a receber a LPJN. No sábado de inauguração (22/11) crianças, jovens, adultos, artistas, contadores de história, mobilizadores culturais, parceiros do projeto, foram todos reunidos no Zinco para o evento que abriu oficialmente as atividades da Livreteria. A programação contou com uma apresentação de palhaçaria, com o Senhor Palhaço, além de dois momentos de contação de histórias, com o Verônica Santos, do Fabuloso Quintal de Histórias, e outro com Érica Luz no final do dia. Enquanto aconteciam as apresentações, a equipe da Livreteria realizava seus primeiros cadastros. Michel Souza, Douglas Miranda, Ygor Nascimento, Gleyson Oliveira, Luan Oliveira, Bianca Ribeiro e Raíssa Souza, além de Guilherme, são os jovens que formam a equipe do projeto, que passou a tarde envolvida na produção e no andamento da programação, além de atender a quem quisesse explorar a Livreteria.

 

Contação de histórias na inauguração da Livreteria!

O CAMINHO DA LEITURA

Para Verônica Santos, do Fabuloso Quintal de Histórias, a LPJN é um desafio necessário para o território e para a cidade como um todo. “A Livreteria tem um campo rico aqui na comunidade para ser desenvolvido, apara ser descoberto. Devem ter muitos escritores por aqui, muitos poetas, muitos rimadores… é um projeto que vai estimular a leitura mas também vai descobrir muitos artistas por aqui”, afirma Verônica. A contadora de histórias tem uma relação estreita com a oralidade que o projeto também pretende explorar. Ela afirma que é necessário hoje em dia treinar tanto os dois olhos quanto os dois ouvidos. Além disso, ela comenta sobre a leitura: “Hoje a gente lê no dia a dia, em casa, na rua, no metrô. A gente lê o tempo todo muitas coisas pequenas. Mas pegar um livro, ler até o final, e fazer isso se desdobrar numa reflexão, numa história ou numa continuidade de outros livros é um caminho que a gente não pode esquecer, nem deixar de percorrer”, diz a contadora, desejando vida longa à Livreteria e que essa iniciativa se espalhe por outros lugares.

João Victor e os livros da LPJN.

Esse caminho da leitura ainda está no início para o pequeno João Victor, de seis anos de idade e morador do Zinco. João se envolveu em todos os momentos da programação, assim como as outras crianças e adultos presentes. Ele viajou nas histórias contadas e mostrou muita curiosidade pela bicicleta e o armário que ela carrega. Mas, mesmo tão interessado nos livros, ainda está aprendendo a ler. Quando perguntado sobre o dia, ele diz: “estou achando mágico. Eu quero aprender (a ler) logo para ler os livros da bicicleta!”, expôs o menino. João Victor é apenas um exemplo da boa recepção da comunidade à iniciativa da Livreteria.

O IMPACTO NA CIDADE

Parceiros presentes na inauguração também tiveram um olhar positivo como o do pequeno João. Jeferson Dias, Carmen Rosane e Antônio Vinícius, agentes do Rio Mais Social na região, prestigiaram a iniciativa. “O projeto intensifica o desenvolvimento local aqui do Zinco. Não tem nenhum outro projeto igual no São Carlos todo!” ressalta Jeferson. A capacidade de identificar uma ideia com a comunidade onde mora e o potencial de realização do jovem Guilherme não passam despercebidas.

Guilherme Vinicius no discurso de inauguração da LPJN.

A Livreteria Popular Juraci Nascimento carrega este nome em homenagem à moradora do São Carlos que foi exemplo, em discurso e ações, de transformação da realidade do território. Por iniciativa própria, ela realizou diversas atividades culturais e de entretenimento. Nessa mesma visão, a LPJN está começando a percorrer um importante caminho, e já construíram, em sete meses dentro da metodologia da Agência, clareza de ações e de objetivo. Por isso o projeto tem uma contribuição fundamental para as dinâmicas da cidade, pelo objetivo que o próprio grupo descreve em seu release: “mostrar aos moradores que a literatura é uma via privilegiada para o aumento de repertório cultural, político e intelectual. Dando ferramentas para que todos sejam capazes de trabalhar o entendimento de seu lugar na sociedade, exercendo de forma mais plena sua cidadania”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *