JUVENTUDE, FAVELA E A PANDEMIA: CONHEÇA CAROL DUPRÉ

A REALIDADE DE JOVENS MOTOTAXISTAS DURANTE A PANDEMIA NO RIO
17 de Maio de 2020
JUVENTUDE, FAVELA E A PANDEMIA: CONHEÇA BIG JAUM
21 de Maio de 2020
Exibir Tudo

JUVENTUDE, FAVELA E A PANDEMIA: CONHEÇA CAROL DUPRÉ

Carol Dupré, jovem líder do Geração que Move, entrega cestas em regiões da Vila Kennedy

Carol Dupré tinha 23 anos e trabalhava como camelô na praça principal da Vila Kennedy, Zona Oeste do Rio de Janeiro, quando recebeu um convite que mais tarde descreveria como um “despertar para os seus sonhos”. Um amigo, também morador da Vila Kennedy, perguntou se ela poderia oferecer a casa e ajudar a mobilizar jovens do território para um debate sobre política e cidade. Era parte do ciclo de debates da primeira fase do festival Todo Jovem É Rio, organizado pela Agência de Redes para Juventude. “Eu recebi o pessoal da Agência aqui em casa, teve o debate e foi paixão à primeira vista”, relembra Carol. Desde esse dia, em novembro de 2017, a relação de Carol com a Agência só estreitou.

A trajetória de quem começou abrindo a porta de casa para um debate trouxe Carol para a atuação como jovem líder do Geração que Move, iniciativa do UNICEF em parceria com Fundação Abertis e Arteris, realizado pela Agência na cidade do Rio, com apoio do Instituto Unibanco. No caminho, participou de dois ciclos como jovem líder e de um como assistente de mediação em Santa Cruz. Enquanto se engajava nas ações da Agência, Carol também começou a se engajar com a universidade. “Em todas as formações, falavam muito sobre crescimento e sobre conhecimento nas nossas áreas. Na época, a Juliana [Juliana Carmo, colega do Geração que Move e de outras ações da Agência] tinha passado para a faculdade, para fazer Engenharia de Alimentos, e eu pensei: ‘de repente fazer faculdade pode ser legal para mim, para continuar nesse ramo de ações sociais que me identifico’”, explica. No início do ano, Carol começou a cursar Serviço Social na UERJ.

O desejo de atuar no território, perto das pessoas, vem sendo colocado em prática ao longo dos últimos anos. No Geração que Move isso não é diferente, mas o projeto carrega as particularidades dos tempos de pandemia. Carol enaltece a solidariedade que tem visto no seu território, mas diz que ainda há desafios. “Estou vendo muita gente se ajudando, mas ainda tem um pessoal circulando sem necessidade, fazendo a quarentena aqui dentro da favela, como se a Vila Kennedy toda fosse o quintal de casa”, relata. Por isso, um dos focos do Geração que Move é difundir conteúdo acessível de qualidade – produzido pelas jovens lideranças do projeto – para moradores de favelas e periferias, principalmente jovens e adolescentes.

O outro foco do projeto é o mapeamento e entrega de cestas básicas e livros a famílias em que jovens contribuem financeiramente e que ficaram mais vulneráveis socialmente durante a pandemia. Carol ressalta o papel crucial das mulheres jovens dentro destas famílias: “O que eu reparo olhando para as mães das crianças do Geração que Move é que a gente fala ‘fica em casa quem puder’, e as mães são sempre as que não podem ficar em casa. Elas que ficam na linha de frente, digo, na rua, para garantir o sustento da família durante esse tempo”.

Os riscos de ser uma mulher jovem de periferia já foram destacados por Carol antes. Em 2018, durante a participação no programa A Roda, parceria da Agência com a TV Globo, ela falou sobre a tática de andar com casacos maiores que o seu tamanho e com um boné para ser confundida com um homem na rua, e assim, fugir dos assédios. Do assédio à doença causada pelo novo coronavírus, os riscos estão aí para todos. Mas para meninas de regiões de periferia, eles se estabelecem de forma particular – e na maioria das vezes, mais cruel. É por esses e outros motivos que Carol Dupré é uma líder necessária para a cidade do Rio de Janeiro.

 

Por Yael Berman

1 Comentário

  1. Ana Cristina disse:

    Conheço Carol do pré e vejo a relevância dela na comunidade de vila Kennedy

Deixe uma resposta para Ana Cristina Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *