Inventário fervilhando na Rocinha

Cordão no pescoço, uma ideia no território
21 de Maio de 2014
Batan em criação
27 de Maio de 2014
Exibir Tudo

Inventário fervilhando na Rocinha

Sábado foi um dia de muita movimentação da Rocinha.  Na Biblioteca Parque, os jovens selecionados se reuniram para dar início ao novo ciclo da agência. As atividades começaram bem cedo, e nem mesmo o dia chuvoso impediu a agitação nas primeiras

A mediadora Carol Magalhães, com a ajuda das universitárias Ula Vilela, Gabriela Franco e Juliana Lopes, deu início ao dia com algumas técnicas de relaxamento para que a galera já pudesse entrar no clima descontraído. Com muitos alongamentos, o pessoal foi despertando, deixando a preguiça de lado e entrando em foco para organização da expressão de seus projetos.

Árvore da Saúde sendo apresentada durante o inventário

O dia foi orientado pelo tema do inventário. Para quem não conhece, o inventário faz parte dos primeiros passos da elaboração dos projetos dos jovens, onde eles começam a esquematizar a sua ideia a partir de classificações, descrições e uma observação detalhada daquilo que estar por vir, ou melhor, uma observação detalhada das necessidades que o projeto exige. Sim, sábado foi dia de mãos a massa. De Arthur Bispo do Rosário ao funk melodie dos anos 90, as universitárias apresentaram um rico repertório para despertar as aspirações e inspirações dos jovens. O repertório era a primeira faísca a provocar a mente já em rebuliço.

Não deu outra. Organizados em três grupos, cada um tinha que, junto aos seus parceiros, entrar em consenso de um projeto e já delinear o esboço das rotas prioritárias para que a ideia pudesse acontecer. Impossível registrar aqui todas ideias que os jovens produziram em um único dia.

Um dos projetos surgidos nesse dia foi a Sala de Cinema na Rocinha, do

Projeto de sala de cinema sendo desenvolvido na Rocinha

Deocleciano, de 21 anos. Deocleciano comentou que a ideia surgiu de um papo com um amigo e a vontade de maior circulação da sétima arte no território onde vivem, “A gente percebeu que tinha que ir muito longe para frequentar o cinema e que não tem nenhuma sala na Rocinha. Além do mais, com a sala a gente ainda pode divulgar os próprios projetos desenvolvidos aqui”, disse o jovem.

Disparadas as faíscas no território, fica agora a ansiedade de ver todos eles em ação, em movimento, em circulação, consolidando seus rumos e trajetórias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *