Do nervosismo à confiança: pré-banca do núcleo Centro

Expectativas e Redes: pré-banca em Santa Cruz
29 de julho de 2014
Pavuna boladona encara (e agrada) a pré-banca.
29 de julho de 2014
Exibir Tudo

Do nervosismo à confiança: pré-banca do núcleo Centro

A manhã começou tensa para os jovens do Núcleo Centro da Agência de Redes Para Juventude. Era dia de pré-banca, um momento para ver o quanto seus esforços nas últimas semanas se ensaio valeram à pena. Os convidados já estavam reunidos e esperando as apresentações dos grupos, enquanto estes estavam escrevendo em seus cadernos, relendo suas frases, discutindo o caminho das apresentações de suas ideias.

Quando a hora chegou, o grupo Biblioteca Popular Juracy Nascimento foi o primeiro a fazer a sua apresentação. O grupo começou a apresentação com um pouco de nervosismo. A convidada  da pré-banca, a jornalista Renata Guilherme pediu a voz e disse: “Não se preocupe, não tem com o que ficar nervoso nem falar baixo, não há ninguém que saiba mais que você o que a sua comunidade precisa.” Depois do encorajamento, Guilherme Vinícius (29), um dos idealizadores do projeto, prosseguiu sua apresentação confiante. Seu projeto propõe uma intervenção literária no morro do São Carlos, para proporcionar um espaço dedicado à criatividade na comunidade, com a criação de uma biblioteca móvel com localização focada no Zinco, uma área específica no São Carlos.

Ygor Nascimento apresentando seu projeto, Mit Modas.

O grupo SWAG, composto por Jefferson Freitas (21) e Jefferson Gomes (21), falaram um pouco da cultura, do estilo, da arte e diversão que poderiam existir também nas comunidades do Alemão e Sampaio, e como eles gostariam de suprir essa demanda com oficinas de Charme e Hip Hop. Já o Laje Recicla quer montar uma cooperativa voltada para produção de acessórios à partir de material reciclado. Fazer uma campanha de conscientização, oficinas de aperfeiçoamento, espalhar caçambas por pontos específicos da comunidade e produzir móveis com o material recolhido. Quando perguntados como pretendiam vender essa produção, eles disseram que fariam um ponto de referência na comunidade onde todos pudessem ir comprar. “A ideia é boa, mas uma loja online junto com uma loja física de mais vazão para a produção” disse Júlio Rosa, mediador do Núcleo Centro, complementando as ideia da galera. Hanier Ferrer, coordenador de redes na Agência, também deu uma dica para um grupo que se apresentava. Hanier perguntou para Kevin Sérgio Silva de Lima (22) do Amarévê se eles já tinham considerado em formar um projeto de extensão com a UFRJ, e deu um contato para que eles entrassem em contato com a universidade.

 

Luan Oliveira, idealizador do Arte Movimentos

Uma verdadeira surpresa foi Luan Oliveira, participante do Arte Movimento. O projeto visa criar um educativo de artes voltado pra crianças, com oficinas de grafite e artes plásticas, no contra turno, junto com ações pontuais de grafitação, que tem como objetivo realizar intervenções em uma área que hoje é usada como lixão. No início, o grupo contava com cinco pessoas que aos poucos foram se juntando em outros grupos. No entanto, continuou com sua ideia que agora se aproxima da banca com um discurso firme sobre um projeto que pode impactar seu território.

Terminadas as apresentações, alguns convidados resolveram se pronunciar e contribuir com as ideias dos grupos. Piê Garcia, do Observatório de Favelas, que depois de trocar uma ideia com Allan Cunha do projeto Amarevê sobre a possibilidades de parcerias, ela deu uma breve opinião sobre as apresentações do dia: “Os projetos estão maravilhosos! Amei todos e acho que todos deveriam ganhar. Não queria estar na pele daqueles que vão ter que escolher alguns de vocês entre tantas outras boas idéias”.

Vitor Canuto, universitário da Agência, deu sua impressão do dia depois das apresentações, enquanto fechavam os formulários dos projetos a serem entregues aos integrantes da banca da próxima semana. “Acho que hoje foi um dos dias mais proveitosos. Agora eles [os jovens] estão confiantes de si mesmos, aquele papo de favelado não sabe de nada já saiu da cabeça deles. Em função do trabalho duro desses últimos meses, eles perceberam a sua capacidade de criação. E hoje eles se deram conta que já tinham essa confiança acumulada, pronta pra ser usada”, conta o universitário, estudante de filosofia que acompanha os projetos Biblioteca Popular Juracy Nascimento, Favela Art e Caçamba Inteligente.

Jovens se preparando para a Pré-Banca

Houve um verdadeiro trabalho essa semana por parte dos jovens, preparando suas apresentações. Com essa segunda pré-banca, todos tiveram tempo para melhorar ainda mais sua forma de apresentar e adquirir mais confiança. Mas diferente de semanas atrás, falar da banca para os jovens não os deixam mais nervosos, pois todos mudaram muito ao longo do processo do amadurecimento das suas idéias e de seus projetos. Agora, a inquietação não é mais nervosismo, é excitação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *