Disparando a Criação

Produzindo Inventários na Pavuna
27 de Maio de 2014
Centro de Inventários
28 de Maio de 2014
Exibir Tudo

Disparando a Criação

O olhar desconfiado era normal para todos os jovens que entravam na Associação Sementes da Vida na Cidade de Deus. O ambiente não era como o esperado. Esperava-se uma sala de aula, com as cadeiras arrumadas uma atrás da outra e um “professor” dando aula. Porém, foi justamente o contrário que aconteceu no ultimo sábado, no primeiro estúdio de criação da Agência de Redes para a Juventude na Cidade de Deus.

As bússolas feitas pelos jovens no Encontro Inaugural expostas no caminho de entrada; todos sentados em circulo; a curiosidade sendo usada como forma de disparar o interesse sobre o que é inventário; música de fundo descontraída; internet como dispositivo de auxílio na ampliação do repertório; e envolvimento de toda a equipe, foram os mecanismos responsáveis para criar a dinâmica da criação.

Inventário foi o instrumento do dia  e o questionamento do significado da palavra foi a primeira pergunta feita pela mediadora, Renata Di Carmo, aos jovens. “Inventário é quando a gente quer saber a quantidade de uma coisa em um determinado lugar”, disse Jullyana Ribeiro de 18 anos definindo uma das formas de inventário. Os outros jovens exemplificaram com outras formas como o Censo demográfico, o álbum de fotografias e até o próprio armário de roupas – quando está organizando, como os jovens fizeram questão de enfatizar.

Os universitários também foram motivados a dar exemplos de inventários, demonstraram que cartas de amigos e coleções são mais exemplos dessa ferramenta. Jade Olimpio, universitária, acrescentou que existem inúmeras formas de fazer um inventário cantando as músicas que mais ouvia na infância.

Rodrigo Fellix queimando a palavra "moda".

Após a exposição do conteúdo, os jovens foram levados a repensar sobre as suas ideias escrevendo uma palavra que represente o que tem em mente inicialmente. Logo após, um a um levou a sua palavra até o centro da roda e queimou o papel como forma de iluminação da ideia e desapego, já que os jovens são livres para trabalhar mudar de ideias. Como foi o caso do Marcos Junior, que pensava em fazer algo relacionado a uma escolinha de futebol e depois direcionou sua vontade para algo relacionado ao desenvolvimento de uma metodologia para protagonismo juvenil.

Toni Cleryton teve a sua ideia “iluminada” pelo inventário. Toni percebeu que para disparar o seu desejo precisa mapear onde na Cidade de Deus existem ações que dão apoio a ex-presidiários, pois a sua intenção é desenvolver um projeto que amplie oportunidades de trabalho para essas pessoas.

Gostarem de se vestir bem foi o que aguçou Felipe Gonçalves e  Diogo Martins. Eles perceberam que faltam lojas de roupas customizadas no seu território . “A gente quer trazer referências do mundo para a nossa loja e customizar as peças com essas ideias”, disse  Felipe. Por intermédio da aplicação inventário, perceberam que precisam ampliar o repertório em moda.

Os jovens farão grupos de estudo com os universitários para buscarem mais informações e aprimorarem suas ideias, ao longo dessa semana. O intuito é que descubram do que mais precisam saber para conseguirem disparar as ações. Assim, o núcleo super animado e integrado da Cidade de Deus promete fazer muita coisa boa que impacte positivamente  o território.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *