Cinema pra geral: a inauguração do Cine Batan

Encontrão da Agência no Cinema Nosso
3 de novembro de 2014
Novembro de realizações: Inaugurações da Agência
5 de novembro de 2014
Exibir Tudo

Cinema pra geral: a inauguração do Cine Batan

Dia de inauguração do Cine Batan.

Na última sexta-feira, dia 31 de outubro, rolou mais uma ação de democratização e ampliação do espaço de exibição do cinema brasileiro no Rio de Janeiro. As comunidades do Batan e Fumacê entram no circuito de cineclubes da cidade com a inauguração do Cine Batan, o primeiro cineclube da localidade e totalmente dedicado ao cinema nacional. As meninas Thaina de Moraes, Mônica Portella, Letícia Alves e Bruna Alves levaram o filme A Batalha do Passinho para a quadra do Fumacê e iniciaram o ciclo de inaugurações dos projetos da Desencubadora da Agência de Redes para Juventude.

O desejo do jovem é o ponto disparador de todos os projetos da Agência. A partir dele, todos os processos de agenciamento dessa vontade com os repertórios do mundo e do território geram, depois de aproximadamente cinco meses, ações de impacto no território. A sacada do Cine Batan veio da observação de Thaina de Moares sobre a relação entre comunidade e a sétima arte. “Eu tive essa vontade [de criar um cineclube] porque gosto de cinema, e muitas pessoas que eu conheço nunca foram ao cinema. Pessoas de dezoito, dezenove anos que nunca foram ao cinema. E também crianças que eu queria que tivessem essa oportunidade. Minha irmã, Maria Eduarda, tem 8 anos e nunca foi ao cinema. Isso me motivou mais.” conta a integrante do grupo.

Dia de inauguração do Cine Batan

Por ser uma novidade na região, a mobilização e a escolha do local da ação foram fundamentais para para proporcionar aos moradores o desfrute do projeto. Para isso, além de uma semana intensa de divulgação em mídias sociais, a equipe foi às ruas abordando os moradores e afinando essa experiência, de modo a descobrir uma maneira específica de abordagem. Foi quando passaram a tirar proveito do próprio tema do filme que seria exibido na inauguração do Cine Batan.

E essa tática deu certo. Depois de organizadas as cadeiras, os equipamentos de projeção e som, a pipoca e refrigerantes a serem distribuídos durante a sessão, a quadra do Fumacê foi tomada por mais de 100 pessoas, em sua maioria crianças. Letícia Alves ficou satisfeita com a recepção que as crianças tiveram, ela observa que o filme estimulou nelas a vontade de se expressar  enquanto assistiam, oscilavam entre momentos de concentração, de dança tímida, e, até mesmo, levantavam pra dançar o passinho ao som da trilha do filme.

Emilio Domingos, diretor do filme, esteve presente e participou de um breve momento de conversa com o grupo e os espectadores. Bruna Alves pôde parabenizá-lo pessoal e publicamente, observando: “o passinho é uma dança que sofre muito preconceito, mas você conseguiu quebrar isso com a realização desse filme”. Os elogios foram recíprocos, Emílio também parabenizou as meninas pela iniciativa, reconheceu que foi uma bela sessão e desejou vida longa ao Cine Batan.

Dia de inauguração do Cine Batan!

Bruna diz que ficou contente em perceber que as pessoas presentes puderam se identificar com os personagens narrados no filme, para ela isso revela o quanto o público foi atingido e recebeu bem a experiência. A ação, partida da juventude, de aproximar a favela do cinema, é um grande feito. Mas para além disso, o saldo positivo do dia 31 de outubro de 2014 – e de todo o ciclo na Agência – é o fato de Bruna, Thaina, Mônica e Letícia hoje se reconhecerem como realizadoras em seu território.

“Hoje em dia eu me vejo de modo diferente. Daqui pra frente eu me vejo realizando isso cada vez mais, e atingindo um público diferente”, diz Bruna, sobre a motivação de continuar investindo no projeto. A percepção da capacidade da juventude de realização e conquista de espaço para expressão foi despertada nessas meninas, tanto que Bruna, com muita segurança, declara: “O jovem, hoje em dia, quer se expressar muito no Facebook, mas ele não vê que a expressão dele pode ir além do Facebook.  Ele pode fazer além. Digitar palavras é uma coisa, mas quando você está com o microfone na mão é totalmente diferente”, diz a jovem sobre a transformação proporcionada pela experiência da Agência. Se liguem nas próximas sessões do Cine Batan!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *