Banca em Santa Cruz: bons resultados para todos.

Mostrando a Potência: A Banca da CDD
7 de agosto de 2014
Núcleo centro de novas ideias
7 de agosto de 2014
Exibir Tudo

Banca em Santa Cruz: bons resultados para todos.

“Eu estava dormindo ontem e tive um pesadelo horrível, eu acordava já era duas horas da tarde, aí eles (os amigos de grupo) chegavam lá em casa falando assim: ‘pô, Eduardo, você perdeu a banca, a gente perdeu porque você não estava lá e a gente não conseguiu falar a tua parte’. Eu acordei no desespero, no drama, acordei ofegante, quase caí da cama por causa desse pesadelo terrível. Já era umas quatro horas da manhã, aí eu comecei a ensaiar mais ainda, porque eu estava com medo mesmo de acordar tarde. Eu fiquei até com medo de dormir para não perder hoje. Fiquei olhando o celular toda hora (pensando): ‘vai despertar oito horas da manhã’. Mas mesmo assim eu estava no desespero. Vai que o celular não desperta! Ia ser um drama…” (Eduardo André, 16 anos – Batalha do Flow)

Eduardo, Wemerson, Camila e Marcelly ensaiam antes da apresentação.

Depois de onze sábados de encontros chegou o grande dia para os jovens da Agência de Redes para Juventude. Dia em que fizeram a apresentação oficial de seus projetos à banca, que escolherá os que serão financiados com 10 mil reais para serem colocados em prática. Há poucas semanas os desejos eram fortes, as ideias eram potentes, porém sem forma. Após passarem pelo Ciclo de Estímulos, em que é aplicada parte importante da metodologia da Agência, os jovens já se reconheciam criadores e acreditavam em seus projetos. A galera da Batalha do Flow é exemplo disso.

Marcelly da Silva (16), Eduardo André (16), Wemerson Soares (19) e Camila Neves (16) formam este grupo que pretende promover eventos de break e passinho, com oficinas abertas seguidas de batalhas, além de aulas semanais das danças. Quatro amigos de infância, nascidos em Santa Cruz, se encontraram na Agência. A princípio, suas ideias não eram tão parecidas. “Cada um tinha uma ideia diferente sobre dança e música, depois a gente juntou todas numa só”, explica Camila. Mas ao final do ciclo o projeto único virou causa de todos eles. Tanto se comprometeram que até o dia anterior à banca estavam ensaiando a apresentação, como contou Eduardo,  que até sonhou com o grande dia!

A banca em Santa Cruz foi composta por três pessoas gabaritadas para assumir esta responsabilidade: Bianca Soares, que faz parte do projeto MAIS, da Agência; Renato Rangel, produtor do Eixo Rio e Fernando Cook, jovem morador do Fumacê que já passou pela metodologia da Agência e criou o Mosaico e Os Descolados. Fernando se identificou com a Batalha do Flow, por ser na área em que ele também trabalha, e se colocou à disposição do grupo para fazer o projeto acontecer independente do resultado da banca. “Virou causa do Espanhol dos Descolados”, afirmou Fernando, usando seu apelido.

Renato Rangel avalia os projetos apresentados.

Os três avaliadores ficaram impressionados com a qualidade das ideias do começo ao fim das apresentações. O último projeto que conheceram no dia foi o Custominação, pensado por Myllena Silva e Ruth Oliveira, duas jovens de 15 anos que pretendem oferecer serviços de customização de roupas para as meninas de Santa Cruz. A banca ficou empolgada com as possibilidades de ação do projeto. Bianca não só elogiou como apontou possíveis fraquezas, mas observou que o Custominação pode se tornar referência em estilo e comportamento da menina de favela. À essa altura, Renato já estava certo de que, diante de tantas boas ideias, teriam problemas em decidir por umas e não por outras. Ao declarar isso e todos da banca concordaram.

“A maioria dos projetos estava muito pronta para ir para rua”, foi a impressão de Bianca, e a sensação de todos da Banca. Fernando, comentando sobre sua participação como avaliador, reconhece: “É uma responsabilidade, mas é agradável, porque minha experiência na agência ajudou na hora de orientar eles, eu gostei”.

O que fica desse dia de banca, independentemente dos resultados sobre quais projetos serão financiados, é a alegria de todos – jovens, universitários, mediadores, produtores e júri – em verem o amadurecimento das ideias como fruto de mais um Ciclo de Estímulos. Esta é a primeira vez que a Agência chega a Santa Cruz, mas sem dúvidas o território estreou sua participação em grande estilo. O desabafo de Veruska Delfino, produtora da Agência que esteve presente em Santa Cruz na busca e seleção de jovens e que acompanhou as apresentações no último sábado, traduz bem esse sentimento: “Fiz mobilização aqui, bati na porta desses meninos, e agora vejo esse resultado… Vocês não têm noção do orgulho que eu estou sentindo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *