#AgênciaSantaCruz: Bússola

CINECLUBE: EXPERIÊNCIA EM AUDIOVISUAL E TERRITÓRIO
14 de setembro de 2016
Veridiana: um olho na ideia, outro no território
25 de outubro de 2016
Exibir Tudo

As ideias da #AgênciaSantaCruz começam seu desenvolvimento dentro da Agência através da Bússola. O instrumento é uma forma de organizar as experiências de vida e de território que os jovens trazem consigo e colocá-las em agenciamento com os novos repertórios que a Agência de Redes para Juventude traz pra somar.

A caminhada para a criação de novos projetos começa aqui. Confira como foi o dia no João XXIII e no Santa Veridiana, os dois núcleos da Agência em Santa Cruz.

JOÃO XXIII: DO DESEJO AO TRAJETO

“A bússola é o instrumento base para a gente não se perder do nosso desejo”, disse Veruska Delfino, mediadora do núcleo João XXIII. A fala da também coordenadora de produção da Agência de Redes Para Juventude foi o convite para a ação dos jovens neste sábado. A bússola é o primeiro instrumento de expressão dos jovens dentro da Agência. As coordenadas foram: ideia como Norte; e desejos, habilidades e/ou afetos como Sul.

A partir do que foi registrado neste dia, a equipe irá se debruçar em alimentar o Leste e o Oeste da bússola de cada jovem, como forma de unir – e fazer acontecer – os objetivos dos primeiros pólos magnéticos. Faz parte da missão também fortalecer a cultura empreendedora e a ação comunitária de cada uma delas.

A bússola é o primeiro instrumento de expressão dos jovens dentro da Agência. As coordenadas foram: ideia como Norte; e desejos, habilidades e/ou afetos como Sul.

SANTA VERIDIANA: DIREÇÕES CALCULADAS

“O soldado não tem mapa na mata, a gente usa a bússola para se guiar. Mas não é só apontar”, explicou Thiago Miranda – ou T2- de 25 anos. É assim que ele define os usos desse instrumento de orientação no sábado de estúdio de criação da #AgênciaSantaVeridiana.

O reconhecimento do instrumento veio de sua experiência no exército, mas sua ideia vem da época em que participou de uma rádio-escola. Thiago, assim como todos os jovens do núcleo, pensaram nos polos magnéticos da bússola (Norte e Sul) como forma de organizar e calcular as direções de seus futuros projetos.

Para começar o dia, e o primeiro encontro, uma dinâmica foi feita pela Mediadora Ana Paula Lisboa. Ao som de várias músicas, e claro, do Arrocha da Penha, os jovens andavam pelo espaço; quando a música parava, alguma pergunta era feita para o mais próximo: qual seu nome?

Os jovens e a relatora da equipe, Sara Rizzo, conversando sobre a Bússola. Dúvidas surgiram na hora de preencher seus campos magnéticos, norte e sul.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *